Pular para o conteúdo principal

Sociedade Ordo Templi Orientis


Se você já leu alguns textos sobre ocultismo, sociedades secretas ou sobre Aleister Crowley aqui no blog Noite Sinistra, você certamente já se deparou com a sigla O.T.O. Essa sigla é uma das formas usadas para denominar a sociedade, ou organização, Ordo Templi Orientis. A Ordo Templi Orientis é uma irmandade ocultista, cuja criação foi baseada em inspirações maçônicas. Posteriormente a ordem acabou sendo reformulada pelo controverso Aleister Crowley (clique aqui para saber mais sobre ele).

História da O.T.O

Ordo Templi Orientis é uma organização ocultista, cujas primeiras atividades se deram em 1895 e possivelmente fundada oficialmente em 1906 por Franz Hartmann e Theodor Reuss, logo após a morte de Karl Kellner, que teria sido um dos precursores do estudo da ordem.

Franz Hartmann
Theodor Reuss
Karl Kellner
Em 1912, Reuss no periódico Oriflamme teria dito que a Ordem tinha posse do grande segredo Hermético, sendo que após a morte do próprio em 1924, Heirich Tränker teria feito de tudo para ter esse pretenso segredo, embora o fato de estar em poder da O.T.O. seja muito duvidoso.

Em 1925, Aleister Crowley, tempos depois de ser expulso da Golden Dawn reformulou a Ordo Templi Orientis, tornando ela uma das principais representantes do movimento telêmico. Aleister Crowley descreveu o grupo em seu livro The Book of the Law, inclusive a Lei de Thelema. De acordo com Crowley, o motto da Ordem era Faça o que você quiser, este será toda a Lei.

Aleister Crowley

Referências ideológicas da Ordo Templi Orientis

A O.T.O. representa a exteriorização e confluência de divergentes correntes de sabedoria e conhecimento esotérico, que eram originalmente divididas e guiados à contra-cultura pela intolerância política e religiosa durante as idades negras. Ela remete às tradições dos movimentos Maçônico, Rosacruciano e Iluminista dos Sécs. XVIII e XIX, às cruzadas dos Cavaleiros Templários da Idade Média, ao recente Gnosticismo Cristão e às Escolas Pagãs de Mistérios. Seu simbolismo contém uma reunificação das tradições ocultas do Ocidente e do Oriente, e a resolução destas tradições permitiu-a reconhecer o verdadeiro valor da revelação do Livro da Lei de Aleister Crowley.

Selo oficial da ordem
A O.T.O. também é conhecida genericamente como integrante do círculo de sociedades secretas germânicas.

A Loja Agapé

A Loja Agapé N° 1 foi fundada em 1915, em Vancouver (Colúmbia Britânica/Canadá), sob a autoridade de Jones e Crowley. Nos anos 30, Wilfred Talbot Smith (1885 — 1957), um membro patenteado da Loja Agapé N° 1 mudou-se de Vancouver com instruções de Crowley para trabalhar com Jane Wolfe (1975 — 1958), que havia sido uma estudante de Crowley em Cefalú, de modo a estabelecer a Loja Agapé N° 2 em Los Angeles (Califórnia/EUA). Smith e Wolfe uniram um grupo em Hollywood, Califórnia, e, juntamente com Regina Kahl (1891 — 1945), começaram a celebrar a Missa Gnóstica semanalmente em um domingo, 19 de março de 1933. A Loja Agapé N° 2 teve seu primeiro encontro em 1935. A Loja Agapé contribuiu grandemente com os esforços de Crowley para suas publicações e Crowley apontou Smith (Ramaka) como X° para os E.U.A.. Posteriormente a Loja Agapé N° 2 mudou-se para Pasadena, Califórnia, e foi liderada por John W. "Jack" Parsons (Belarion, 1914 — 1952), um respeitado engenheiro químico e pioneiro aeroespacial. Parsons foi um dos fundadores tanto do California Institute of Technology's Jet Propulsion Laboratory (Laboratório de Propulsão a Jato do Instituto de Tecnologia da Califórnia) quanto do Aerojet General (Laboratóro Aerojato Geral, do Instituto de Tecnologia da Califórnia).


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Você sabe do que é feito e como é feito o chiclete?

É claro que você já mascou chiclete principalmente quando era criança! Mas você sabe de onde é feito chiclete? Como é feito?







    Eu, já ouvi pessoas dizendo que o chiclete vem do couro do boi...mas é claro que não é feito assim, pelo menos não hoje em dia!







      O chiclete não é uma coisa tão nova assim, antigamente, a um tempo que até hoje não se estima, os povos gregos tinham o costume de mascar resina de arvores, os mesmos usavam para estimular a salivação e assim limpar os dentes! Antes da colonização, no continente americano, a colonização europeia tinha o costume também, porém mascavam o látex do sapotizeiro, e era usada pelos Maias e Astecas e outras civilizações, e os mesmos davam o nome de Chicle.









       O chiclete que nós conhecemos hoje, surgiu no ano de 1872, quando Thomas Adams, fabricou o primeiro lote de chicletes em formato de bolas, porém estes não eram feitos de sapotizeiro, e sim aromatizado com resinas naturais do extrato de alcaçuz.

Os seis pratos mais sádicos de todo o Mundo

A maioria de nós ama um bom e suculento bife ou um belo frango assado né? E não é nenhum segredo que a vida de um animal indo para o matadouro não é de sorrisos e canções felizes. Isso é fato.

Mas vai que você se depara com uma comida que requer que o animal não esteja morto, mas que seja torturado de uma maneira terrível e diabólica bem no seu prato. Abaixo estão os exemplos que provam que, para alguns, a crueldade pode ser deliciosa.

ATENÇÃO: Algumas imagens perturbadoras, particularmente em # 1.

# 6.Ikizukuri

Origem:Japão
O que há de tão ruim nisso?Imagine que você está no Japão. Você quer aproveitar a viajem e experimentar a cozinha japonesa autêntica. Aviso: Esta pá de madeira com a imagem da Hello Kitty, não tem nada a ver com esta matéria. Ignore-a.



Você vai a um restaurante de sushi, e na hora do pedido, a primeira coisa que soar apetitoso é o que você vai pedir. Logo você vê uma confusão de sílabas japonesas que parece ser deliciosa: "Ikizukuri". Você pede. E só então, um…

Menino que morava na casa assombrada em Amityville quebra o silêncio de 37anos

Primeiro foi a praga das moscas, depois havia os pontos frios em salas e corredores, os cheiros estranhos de perfume ou de excrementos e os sons de solavancos durante a noite e outros distúrbios muito mais aterrorizantes: objetos que voaram pela sala, paredes escorrendo lodo verde, o crucifixo que virou de cabeça para baixo na parede, o quarto vermelho escondido no porão e – quem pode esquecer – os olhos brilhantes demoníacos de um porco durante a noite.
Danny Lutz, um menino de dez anos de idade na época, vive agora no Queens, em Nova York, onde ele trabalha como pedreiro e é separado de sua esposa e dois filhos, insiste que ele foi ameaçado por espíritos na casa e que as assombrações arruinaram sua vida e da sua família. Casa do horror: A casa da família que inspirou vários filmes aterrorizantes O seu lado da história teria provavelmente permanecido secreto, mas um amigo contatou um jovem cineasta, Eric Walter, que tinha criado um site dedicado à saga de Amityville, e persuadiu o recl…