Pular para o conteúdo principal

Por dentro de uma fábrica de Doritos

1. Carregamento
O principal e praticamente único ingrediente do Doritos é o milho. Ele é transgênico (detalhe), vem de fazendas do Paraná especializadas em fornecer para a Pepsico e é transportado por meio dessas empilhadeiras.
size_590_Foto_01
2. Silos
O milho é jogado em dois silos que, juntos, são capazes de armazenar até 190 toneladas.
size_590_Foto_02
3. Peneira
O milho passa por uma peneira para evitar que os grãos quebrados ou fora do tamanho considerado padrão de qualidade entrem na linha de produção.
size_590_Foto_03
4. No caldeirão
Depois de peneirado, o milho é fervido em água por cerca de 12 minutos junto a uma pequena porcentagem de cal, para que a casca se solte do grão.
size_590_Foto_04
5. No descanso
Depois de cozido, o milho repousa por cerca de 12 horas em um tambor, para que a casca seja retirada e ele amoleça o suficiente.
size_590_Foto_05
6. Em linha
A fábrica de Itu tem 12 desses tambores, que se revezam nos estágios de produção. Dentro dessa área, sente-se um forte cheiro de milho cozido.
size_590_Foto_06
7. Sem casca
Durante as 12 horas de descanso, o milho vai lentamente amolecendo e perdendo a casca.
size_590_Foto_07
8. Pelo cano
Depois das 12 horas, o milho é drenado para os canos que o levarão para a linha de produção propriamente dita.
size_590_Foto_09
9. Para a lavagem
O milho passa então por uma lavagem, para que qualquer resquício de casca ou cal seja retirado dos grãos.
size_590_Foto_10
10. Na esteira
Depois disso, o milho passa por uma esteira para a retirada do excesso de água e é levado até um moinho de pedras.
size_590_Foto_11
11. Triturado
Nessa máquina, o milho é triturado até que vire uma massa uniforme. O processo não dura mais de 30 segundos e o barulho é bastante alto.
size_590_Foto_12
12. Massa
O milho sai da trituradora com essa aparência: uma massa ainda mole e mais grossa, que se desfaz na mão.
size_590_Foto_13
13. Rolo compressor
A massa passa por rolos compressores, que a deixarão na espessura exata de um Doritos.
size_590_Foto_14
14. Para o forno
A massa, além de comprimida, também é cortada em triângulos no caminho para o forno, onde será assada por cerca de 2 minutos.
size_590_Foto_15
15. Resfriando
Depois de assado, cada triângulo já recebe o nome de “chip”. O próximo passo é passar por uma esteira longa enquanto é resfriado.
size_590_Foto_16
16. Trilhos
A esteira tem três andares e sua velocidade pode ser regulada de acordo com a velocidade da produção da fábrica.
size_590_Foto_17
17. Para a fritura
Terminada a esteira, os chips são levados para a fritura em óleo de palma, onde permanecem por cerca de dois minutos.
size_590_Foto_18
18. Textura
Depois de assado e frito, o chip já está crocante e adquire a textura conhecida. Ele está pronto para receber a aromatização.
size_590_Foto_19
19. Aromatização
Neste tambor é que os chips recebem o pó que contém o aroma característico do Doritos. Ele pode ser Tradicional, Pimenta ou Nachos. As fórmulas dos sabores são secretas e importadas do Uruguai.
size_590_Foto_20
20. No tambor
O pó é borrifado em cima dos chips enquanto o tambor roda, para que nenhuma parte fique sem o contato com ele.
Na fábrica de Itu, só se trabalha com o sabor Nacho. Nas outras fábricas da Pepsico, em Sete Lagoas, no interior de Minas Gerais, e Curitiba, também são fabricados os sabores Tradicional e Pimenta. Os aromas são os mesmos em todo o mundo.
size_590_Foto_21size_590_Foto_22
Ele deverá ficar sexy assim:
21. Para a pesagem
Os chips são então levados para a sala de pesagem e embalagem, através dessas esteiras. Toda a sala onde se aplica o sabor tem um cheiro fortíssimo e parece que tudo fica um pouco laranja.
size_590_Foto_23
22. Nas balanças
Os chips são então divididos em diversas balanças, que operam da mesma maneira e simultaneamente.
size_590_Foto_24
23. Por partes
Cada balança é programada para uma pesagem. Na fábrica de Itu, são produzidos os sacos de 30, 55 e 110 gramas.
size_590_Foto_25
24. Dosagem
Os chips vão caindo dentro dessas caixas e, quando atingem a pesagem programada, elas abrem e deixam cair a quantidade exata dentro do saco, que vai abaixo. Da lavagem até a embalagem, o processo leva apenas 12 minutos.
size_590_Foto_26
25. Embalagem
Ao mesmo tempo em que ocorre a pesagem, também são montadas as embalagens. Elas começam com o rolo de filme metalizado dessa forma, sem cortes ou dobras.
size_590_Foto_27
26. Dobradura
Quando entra na máquina, a folha de alumínio é dobrada e colada no formato cilíndrico da embalagem.
size_590_Foto_28
27. Cortes
A embalagem recebe a dosagem programada de chips e, em seguida, a máquina sela e divide os saquinhos.
size_590_Foto_29
28. Pesagem
Depois de embalados, os sacos passam por uma última pesagem, para conferir se a dosagem programada está de acordo. Ao todo, é produzida uma tonelada de Doritos por hora na fábrica de Itu.
size_590_Foto_30
29. Nas caixas
Depois disso, os sacos de salgadinho são colocados em caixas, que serão entregues aos fornecedores.
size_590_Foto_31
BENÇA DO PAPA PARA ESSE INCRÍVEL ALIMENTO

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Você sabe do que é feito e como é feito o chiclete?

É claro que você já mascou chiclete principalmente quando era criança! Mas você sabe de onde é feito chiclete? Como é feito?







    Eu, já ouvi pessoas dizendo que o chiclete vem do couro do boi...mas é claro que não é feito assim, pelo menos não hoje em dia!







      O chiclete não é uma coisa tão nova assim, antigamente, a um tempo que até hoje não se estima, os povos gregos tinham o costume de mascar resina de arvores, os mesmos usavam para estimular a salivação e assim limpar os dentes! Antes da colonização, no continente americano, a colonização europeia tinha o costume também, porém mascavam o látex do sapotizeiro, e era usada pelos Maias e Astecas e outras civilizações, e os mesmos davam o nome de Chicle.









       O chiclete que nós conhecemos hoje, surgiu no ano de 1872, quando Thomas Adams, fabricou o primeiro lote de chicletes em formato de bolas, porém estes não eram feitos de sapotizeiro, e sim aromatizado com resinas naturais do extrato de alcaçuz.

Os seis pratos mais sádicos de todo o Mundo

A maioria de nós ama um bom e suculento bife ou um belo frango assado né? E não é nenhum segredo que a vida de um animal indo para o matadouro não é de sorrisos e canções felizes. Isso é fato.

Mas vai que você se depara com uma comida que requer que o animal não esteja morto, mas que seja torturado de uma maneira terrível e diabólica bem no seu prato. Abaixo estão os exemplos que provam que, para alguns, a crueldade pode ser deliciosa.

ATENÇÃO: Algumas imagens perturbadoras, particularmente em # 1.

# 6.Ikizukuri

Origem:Japão
O que há de tão ruim nisso?Imagine que você está no Japão. Você quer aproveitar a viajem e experimentar a cozinha japonesa autêntica. Aviso: Esta pá de madeira com a imagem da Hello Kitty, não tem nada a ver com esta matéria. Ignore-a.



Você vai a um restaurante de sushi, e na hora do pedido, a primeira coisa que soar apetitoso é o que você vai pedir. Logo você vê uma confusão de sílabas japonesas que parece ser deliciosa: "Ikizukuri". Você pede. E só então, um…

Menino que morava na casa assombrada em Amityville quebra o silêncio de 37anos

Primeiro foi a praga das moscas, depois havia os pontos frios em salas e corredores, os cheiros estranhos de perfume ou de excrementos e os sons de solavancos durante a noite e outros distúrbios muito mais aterrorizantes: objetos que voaram pela sala, paredes escorrendo lodo verde, o crucifixo que virou de cabeça para baixo na parede, o quarto vermelho escondido no porão e – quem pode esquecer – os olhos brilhantes demoníacos de um porco durante a noite.
Danny Lutz, um menino de dez anos de idade na época, vive agora no Queens, em Nova York, onde ele trabalha como pedreiro e é separado de sua esposa e dois filhos, insiste que ele foi ameaçado por espíritos na casa e que as assombrações arruinaram sua vida e da sua família. Casa do horror: A casa da família que inspirou vários filmes aterrorizantes O seu lado da história teria provavelmente permanecido secreto, mas um amigo contatou um jovem cineasta, Eric Walter, que tinha criado um site dedicado à saga de Amityville, e persuadiu o recl…