Pular para o conteúdo principal

5 Experimentos mais Bizarros já feitos

5 - Dar LSD para Elefantes

O que acontece se você der LSD a um elefante? Na sexta-feira 03 de agosto de 1962, um grupo de pesquisadores Oklahoma City decidiu descobrir.
Thomas, diretor do Zoo da cidade, disparou uma seringa contendo 297 miligramas de LSD em um elefante. Com Thomas estavam dois colegas cientistas da Universidade de Oklahoma School of Medicine, Louis Jolyon West e Chester M. Pierce.


297 miligramas é um monte de LSD - cerca de 3000 vezes o nível de uma dose humana típica. Na verdade, ela continua sendo a maior dose de LSD jamais dada a uma criatura viva. Os pesquisadores perceberam que, se eles iam dar LSD a um elefante, que é melhor não dar-lhe muito pouco.

Thomas, West e Pierce explicou mais tarde que o experimento foi projetado para descobrir se o LSD induziria o estado de cio em um elefante, cio sendo uma espécie de loucura temporária, elefantes machos às vezes experimentam durante o qual eles se tornam altamente agressivos e secretam um líquido grudento de suas temporais glândulas.

Seja qual for a razão para o experimento, quase que imediatamente deu errado. O elefante reagirou ao tiro, como se uma abelha havia picado. Ele alardeou em torno de sua pena por alguns minutos, e depois tombou ao seu lado. Horrorizados, os pesquisadores tentaram reanimá-lo, mas cerca de uma hora depois ele estava morto. Os três cientistas concluíram acanhadamente que, "Parece que elefantes são altamente sensíveis aos efeitos do LSD."


4 - Obediência

Imagine que você se ofereceu para uma experiência, mas quando você aparece no laboratório você descobre que o pesquisador quer que você assassine uma pessoa inocente. Você protesta, mas o pesquisador declara com firmeza: "O experimento requer que você faça isso." Você quer matar a pessoa?

Quando perguntado o que faria em tal situação, as respostas quase todo mundo que é claro que eles se recusam a cometer o assassinato. Mas o experimento de Stanley Milgram sobre obediência , realizado na Universidade de Yale na década de 1960, revelou que esta crença é errada. Se o pedido for apresentado no caminho certo, quase todos nós muito obedientemente se tornaremos assassinos.

Um voluntário (que era, na realidade, um ator) tentaria memorizar uma série de pares de palavras. O voluntário outro (o sujeito real) leria os pares de palavras e dar ao aluno um choque elétrico cada vez que ele tem uma resposta errada. Os choques aumentaria em intensidade por quinze volts a cada resposta errada.

O experimento começou. O aluno começou a receber algumas respostas erradas, e logo os choques atingiu 120 volts. Neste ponto, o aluno começou a gritar: "Ei, isso realmente dói." Em 150 volts o aprendiz gritou de dor e pediu para ser solto. Confuso, grande parte dos voluntários se virou e perguntou ao pesquisador o que devem fazer. Ele sempre respondeu calmamente: "O experimento requer que você continue."

Milgram não tinha nenhum interesse no efeito da punição no aprendizado. O que ele realmente queria ver era por quanto tempo as pessoas iriam pressionar o botão de choque antes que eles se recusassem a participar mais. Será que eles permaneceriam obedientes à autoridade do pesquisador até o ponto de matar alguém?


3 - Cães Com duas Cabeças



Em 1954 Vladimir Demikhov chocou o mundo ao revelar uma monstruosidade cirurgicamente criada: Um cão de duas cabeças. Ele criou a criatura em um laboratório na periferia de Moscou, ombros e pernas dianteiras de um filhote para o pescoço de um pastor alemão mais velho.

Demikhov desfilou o cão para repórteres de todo o mundo. Jornalistas presenciaram a cena, ambas as cabeças simultaneamente, lambiam tigelas de leite, e, em seguida, encolheu-se como o leite da cabeça do filhote de cachorro. A União Soviética orgulhosamente se gabava de que o cão era a prova da proeminência médica da nação.

Ao longo dos próximos 15 anos, Demikhov havia criado um total de vinte cães de duas cabeças. Nenhum deles viveu por muito tempo, como inevitavelmente sucumbiram a problemas de rejeição de tecidos. O recorde foi um mês.


Demikhov explicou que os cães faziam parte de uma série contínua de experiências em técnicas cirúrgicas, com o seu objectivo final é aprender a executar um coração humano e transplante de pulmão. Outro cirurgião vencê-lo para este objectivo - Dr. Christian Baarnard em 1967 - mas Demikhov é amplamente respeitado.

2 - Transformar um Homosexual em Heterosexual

Em 1954 James Olds e Peter Milner, da Universidade McGill descobriram que a região septal é o centro do bem-estar do cérebro. Estimulação elétrica que produz sensações de intenso prazer e excitação sexual. Eles demonstraram sua descoberta inserindo fios no cérebro de um rato e, em seguida, mostrando que quando o rato descobriu que poderia auto-estimular-se, pressionando uma alavanca, o rato batia na alavanca até 2 mil vezes por hora.

Em 1970, Robert Heath da Universidade de Tulane sonhou com uma aplicação de maneira diferente, Heath decidiu testar se a estimulação repetida da região septal poderia transformar um homossexual em um heterossexual.

Heath se referia o seu sujeito homossexual como paciente B-19. Ele inseriu Teflon isolados eletrodos na região septal de B-19 do cérebro e, em seguida, deu B-19 cuidadosamente controlada quantidades de estimulação em sessões experimentais. Logo o jovem estava relatando sentindo um aumento na motivação sexual. Heath então montou um dispositivo para permitir a B-19 se auto-estimular-se. Foi como deixar um chocólatra solto em uma loja de doces. B-19 rapidamente tornou-se obcecado com o botão do prazer. Em uma sessão de três horas, ele apertou-a 1500 vezes até que, como Heath observou, "ele estava experimentando uma euforia quase esmagadora e euforia e tinha que ser desligada."

Nesta fase do experimento a libido de B-19 era tão alta, Que Heath decidiu prosseguir com uma fase final qua B-19, séria apresentada a uma parceira do sexo feminino. Com a permissão do procurador Geral do Estado, Heath providenciou uma prostituta de 21 Anos, para visitar o laboratório, e colocou ela junta no quarto com B-19. Durante uma hora B-19 nao fez nada, depois a prostituta tomou a Iniciativa e uma relação sexual entre os dois ocorreu. Heath Considerou Este resultado positivo.

Pouco se sabe de B-19 e o que o destino lhe reservou. Heath informou que o Jovem em si voltou a Viver uma vida homossexual de prostituição, mas que também Teve um caso com uma mulher casada. Heath otimista decidiu que este fato mostrou que o Tratamento foi pelo menos parcialmente Bem sucedido. No entanto, Heath nunca mais tentou "converter" homossexuais.


1 - Manter uma Cabeça de Cachorro Viva Fora do Corpo

O que poderia ser mais terrível do que criar um cão de duas cabeças? Que tal manter a cabeça decepada de um cachorro vivo fora do seu corpo!

Desde o massacre da Revolução Francesa, quando a guilhotina enviou milhares de cabeças decepadas rolando em cestas, cientistas se perguntava se seria possível manter uma cabeça viva fora do seu corpo, mas não foi até o final de 1920 que alguém conseguiu retirar esta façanha.


O médico soviético Sergei Brukhonenko desenvolveu uma máquina coração-pulmão primitiva que ele chamou de "autojector", e com este dispositivo, ele conseguiu manter a cabeça decepada de um cachorro vivo. Ele mostrou uma de suas cabeças vida de cão em 1928 diante de uma platéia internacional de cientistas no Terceiro Congresso de Fisiologistas da URSS.

Para provar que a cabeça sobre a mesa realmente estava vivo, ele mostrou que ele reagiu aos estímulos. Brukhonenko bateu o martelo sobre a mesa, ea cabeça hesitou. Ele brilhou a luz em seus olhos, e piscou os olhos. Ele ainda alimentou a cabeça de um pedaço de queijo, que imediatamente saiu do tubo esofágico, na outra extremidade.

Cabeça Brukhonenko cachorro decepada tornou-se a falar da Europa e inspirou o dramaturgo George Bernard Shaw a musa: "Eu sou mesmo tentado a ter minha própria cabeça cortada para que eu possa continuar a ditar peças e livros sem ser incomodado pela doença, sem ter que vestir e despir, sem ter que comer, sem ter mais nada para fazer além de produzir obras-primas da arte dramática e literatura ".




http://www.sinalnoticias.blogspot.com.br/2014/07/5-experimentos-mais-bizarros-ja-feitos.html

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Você sabe do que é feito e como é feito o chiclete?

É claro que você já mascou chiclete principalmente quando era criança! Mas você sabe de onde é feito chiclete? Como é feito?







    Eu, já ouvi pessoas dizendo que o chiclete vem do couro do boi...mas é claro que não é feito assim, pelo menos não hoje em dia!







      O chiclete não é uma coisa tão nova assim, antigamente, a um tempo que até hoje não se estima, os povos gregos tinham o costume de mascar resina de arvores, os mesmos usavam para estimular a salivação e assim limpar os dentes! Antes da colonização, no continente americano, a colonização europeia tinha o costume também, porém mascavam o látex do sapotizeiro, e era usada pelos Maias e Astecas e outras civilizações, e os mesmos davam o nome de Chicle.









       O chiclete que nós conhecemos hoje, surgiu no ano de 1872, quando Thomas Adams, fabricou o primeiro lote de chicletes em formato de bolas, porém estes não eram feitos de sapotizeiro, e sim aromatizado com resinas naturais do extrato de alcaçuz.

Os seis pratos mais sádicos de todo o Mundo

A maioria de nós ama um bom e suculento bife ou um belo frango assado né? E não é nenhum segredo que a vida de um animal indo para o matadouro não é de sorrisos e canções felizes. Isso é fato.

Mas vai que você se depara com uma comida que requer que o animal não esteja morto, mas que seja torturado de uma maneira terrível e diabólica bem no seu prato. Abaixo estão os exemplos que provam que, para alguns, a crueldade pode ser deliciosa.

ATENÇÃO: Algumas imagens perturbadoras, particularmente em # 1.

# 6.Ikizukuri

Origem:Japão
O que há de tão ruim nisso?Imagine que você está no Japão. Você quer aproveitar a viajem e experimentar a cozinha japonesa autêntica. Aviso: Esta pá de madeira com a imagem da Hello Kitty, não tem nada a ver com esta matéria. Ignore-a.



Você vai a um restaurante de sushi, e na hora do pedido, a primeira coisa que soar apetitoso é o que você vai pedir. Logo você vê uma confusão de sílabas japonesas que parece ser deliciosa: "Ikizukuri". Você pede. E só então, um…

A Verdade Sobre Chris McCandless, “Na Natureza Selvagem”

A Verdade Sobre Chris McCandless, Do Filme “Na Natureza Selvagem”
Quem nunca sonhou em jogar tudo pro alto e ir atrás do que se acredita? Quem já se pegou preso na rotina compulsiva do dia-a-dia, e já se questionou se as modernidades não atrapalham mais do que ajudam? Chris McCandless, famoso personagem do filme “Na Natureza Selvagem” (Into the Wild) fez o que muitos sonham e outros criticam. Ele largou tudo que tinha: seu diploma, seu carro, sua família e até sua conta bancária. Foi com uma mala em busca do grande sonho de se chegar ao Alaska. Conheça a pessoa por trás do filme de Sean Penn. Chris sobreviveu do que caçava e colhia no Alaska por mais de 100 dias Chris era um típico americano de classe-média alta, recém-formado e com problemas de relacionamento com os pais. Deixou tudo e saiu numa Odisseia solitária em busca do gélido Alaska, distante da civilização. O sucesso acadêmico de Chris apenas aguçou o vazio que ele percebia no materialismo da sociedade. Tendo realizado seu grand…