Pular para o conteúdo principal

Música "Desculpe, Neymar" gera polêmica ao criticar a Copa no Brasil

desculpa-neymar-copa-brasil
“Desculpe, Neymar/ Mas nesta Copa eu não torço por vocês…/ Enquanto a Fifa se preocupa com padrões/ Somos guiados por ladrões/ Que jogam sujo pra ganhar/ Parreira, eu vi/ Aquele tetra fez o povo tão feliz/ Mas não seremos verdadeiros campeões/ Gastando mais de 10 bilhões/ Pra fazer Copa no país”.
Entusiasta de futebol, mas insatisfeito com a forma como a Copa do Mundo vem sendo levada no país, Edu Krieger compôs a música “Desculpe, Neymar”, em que faz críticas à organização do evento.
Incomodado com a falta de expressão por parte da classe artística sobre o assunto, o cantor fez sozinho a letra, os arranjos e a gravação, e publicou o resultado no YouTube — que, em dez dias, teve quase 30 mil acessos (veja o vídeo abaixo). Sem procurar exatamente produzir uma “canção de protesto”, ele teve o cuidado de tentar transmitir uma leveza na música.
— Não chega a ser um protesto, é uma letra que tem um certo tom de lamentação. Sempre fui fã da seleção e, de repente, me vi desconfortável em torcer e participar dessa festa. Acho que a forma como a gente organizou tudo foi a pior possível, principalmente se levarmos em conta a contradição entre o que nos foi prometido na época da campanha para a Copa e o que de fato foi feito — explica. — Quando me posiciono através dessa canção, estou expressando um lamento por não ter o entusiasmo que eu gostaria de ter em relação ao evento.
Edu, que atualmente acompanha Ana Carolina em sua nova turnê por todo o Brasil, procura fazer shows com o seu trio quando sobra tempo. Ao lado do irmão, Fabiano Krieger, e do flautista PC Castilho, Edu conseguiu uma brecha para se apresentar no Rio Scenarium no dia 8 de abril, e promete incluir “Desculpe,” Neymar” no repertório.
— Vou mostrar minha opinião ao vivo sim, acho que faz parte da proposta. Me parece que as pessoas estavam precisando de algum estímulo artístico para se manifestar. Fiz uma música porque me expresso melhor através da canção do que de um texto. E não vejo como algo agressivo, que possa desmerecer o trabalho dos jogadores ou da comissão técnica. Nessa Copa, não temos músicas contra o evento, mas também não temos nenhuma clara a favor. Acho que há uma insatisfação generalizada, e a classe artística está neutra, meio anestesiada.
Ouça a música no vídeo abaixo:
Veja a letra da música “Desculpe, Neymar”:
Desculpe, Neymar
Mas nesta Copa eu não torço por vocês
Estou cansado de assistir ao nosso povo
Definhando pouco a pouco
Nos programas das TVs
Enquanto a FIFA se preocupa com padrões
Somos guiados por ladrões
Que jogam sujo pra ganhar
Desculpe, Neymar
Eu não torço desta vez
Parreira, eu vi
Aquele tetra fez o povo tão feliz
Mas não seremos verdadeiros campeões
Gastando mais de 10 bilhões
Pra fazer Copa no país
Temos estádios lindos e monumentais
Enquanto escolas e hospitais
Estão à beira de ruir
Parreira, eu vi
Um abismo entre Brasis
Foi mal, Felipão
Quando Cafu ergueu a taça e exibiu
Suas raízes num momento tão solene
Revelou Jardim Irene
Um retrato do Brasil
A primavera prometida não chegou
A vida vale mais que um gol
E as melhorias onde estão
Foi mal, Felipão
Nossa pátria não floriu
Eu sei, torcedor
Que a minha simples e sincera opinião
Não vai fazer você, que ganha e vive mal
Deixar de ir até o final
Junto com nossa seleção
Mesmo sem grana pra pagar o ingresso caro
Nunca vai deixar de amar o
Nosso escrete aonde for
Eu sei, torcedor
É você quem tem razão

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Você sabe do que é feito e como é feito o chiclete?

É claro que você já mascou chiclete principalmente quando era criança! Mas você sabe de onde é feito chiclete? Como é feito?







    Eu, já ouvi pessoas dizendo que o chiclete vem do couro do boi...mas é claro que não é feito assim, pelo menos não hoje em dia!







      O chiclete não é uma coisa tão nova assim, antigamente, a um tempo que até hoje não se estima, os povos gregos tinham o costume de mascar resina de arvores, os mesmos usavam para estimular a salivação e assim limpar os dentes! Antes da colonização, no continente americano, a colonização europeia tinha o costume também, porém mascavam o látex do sapotizeiro, e era usada pelos Maias e Astecas e outras civilizações, e os mesmos davam o nome de Chicle.









       O chiclete que nós conhecemos hoje, surgiu no ano de 1872, quando Thomas Adams, fabricou o primeiro lote de chicletes em formato de bolas, porém estes não eram feitos de sapotizeiro, e sim aromatizado com resinas naturais do extrato de alcaçuz.

Os seis pratos mais sádicos de todo o Mundo

A maioria de nós ama um bom e suculento bife ou um belo frango assado né? E não é nenhum segredo que a vida de um animal indo para o matadouro não é de sorrisos e canções felizes. Isso é fato.

Mas vai que você se depara com uma comida que requer que o animal não esteja morto, mas que seja torturado de uma maneira terrível e diabólica bem no seu prato. Abaixo estão os exemplos que provam que, para alguns, a crueldade pode ser deliciosa.

ATENÇÃO: Algumas imagens perturbadoras, particularmente em # 1.

# 6.Ikizukuri

Origem:Japão
O que há de tão ruim nisso?Imagine que você está no Japão. Você quer aproveitar a viajem e experimentar a cozinha japonesa autêntica. Aviso: Esta pá de madeira com a imagem da Hello Kitty, não tem nada a ver com esta matéria. Ignore-a.



Você vai a um restaurante de sushi, e na hora do pedido, a primeira coisa que soar apetitoso é o que você vai pedir. Logo você vê uma confusão de sílabas japonesas que parece ser deliciosa: "Ikizukuri". Você pede. E só então, um…

A Verdade Sobre Chris McCandless, “Na Natureza Selvagem”

A Verdade Sobre Chris McCandless, Do Filme “Na Natureza Selvagem”
Quem nunca sonhou em jogar tudo pro alto e ir atrás do que se acredita? Quem já se pegou preso na rotina compulsiva do dia-a-dia, e já se questionou se as modernidades não atrapalham mais do que ajudam? Chris McCandless, famoso personagem do filme “Na Natureza Selvagem” (Into the Wild) fez o que muitos sonham e outros criticam. Ele largou tudo que tinha: seu diploma, seu carro, sua família e até sua conta bancária. Foi com uma mala em busca do grande sonho de se chegar ao Alaska. Conheça a pessoa por trás do filme de Sean Penn. Chris sobreviveu do que caçava e colhia no Alaska por mais de 100 dias Chris era um típico americano de classe-média alta, recém-formado e com problemas de relacionamento com os pais. Deixou tudo e saiu numa Odisseia solitária em busca do gélido Alaska, distante da civilização. O sucesso acadêmico de Chris apenas aguçou o vazio que ele percebia no materialismo da sociedade. Tendo realizado seu grand…