Pular para o conteúdo principal

Energia pode ser teletransportada sem um limite de distância.

Um time de físicos propôs uma forma de teletransportar energia sobre longas distâncias. A técnica, que neste ponto é puramente teórica, aproveita o estranho fenômeno quântico de entrelaçamento onde duas partículas partilham a mesma existência.

Energia pode ser teletransportada sem um limite de distância Um time de físicos propôs uma forma de teletransportar energia sobre longas distâncias. A técnica, que neste ponto é puramente teórica, aproveita o estranho fenômeno quântico de entrelaçamento onde duas partículas partilham a mesma existência.  Os pesquisadores, que trabalharam na Universidade de Tohoku no Japão, e foram liderados por Masahiro Hotta, descreveram sua proposta na última edição do Physical Review A. O sistema deles explora propriedades da luz comprimida ou estados de vácuos que deveriam permitir o teletransporte de informação sobre um estado de energia. Por sua vez, esta energia quântica teletransportada poderia ser utilizável.  Ao contrário de sistemas de teletransportes como os retratados em Jornada nas Estrelas ou A Mosca, este tipo de teletransporte descreve experimentos de emaranhamento em que duas partículas entrelaçadas são unidas apesar de nenhuma conexão aparente entre elas existir. Quando uma mudança ocorre em uma partícula, a mesma mudança ocorre na outra, não importa a distância que as separa. Por isto, a impressão de teletransporte. Físicos conduziram experimentos utilizando luz, matéria, e agora, energia.  De acordo com Hotta, uma medição na primeira partícula injeta energia quântica no sistema. Então, escolhendo cuidadosamente a medição para fazer na segunda partícula, é possível extrair a energia original.  Escrevendo no Phys.org, Bob Yirka explica mais:  De volta em 2008, Hotta, com outro time, primeiramente concebeu uma teoria para teletransportar energia baseada na retirada das vantagens dos estados de vácuo – a teoria sugere que eles não estão completamente vazios, em vez disto há partículas neles que entram e saem da existência, algumas das quais estão entrelaçadas. Embora interessante, a teoria sugeriu que teletransportar energia só poderia ser realizada sob distâncias muito curtas. Nesta nova tentativa, Hotta encontrou uma maneira para aumentar a distância de teletransporte fazendo o uso de uma propriedade conhecida como luz comprimida, a qual está vinculada a um estado de vácuo comprimido.  As leis da mecânica quântica limitam as maneiras que os valores em um sistema (como o vácuo) podem ser medidos – físicos descobriram, no entanto, que aumentando a incerteza de um valor, diminui a incerteza do valor dos outros – uma espécie de efeito comprimido. Quando aplicado à luz, a teoria sugere que isto acarreta a mais pares viajando juntos através do vácuo, que por sua vez leva a mais deles estando emaranhados, e que o time sugere que deveria permitir o teletransporte de energia sobre qualquer distância.  Seguindo em frente, os pesquisadores querem colocar sua teoria à teste em um laboratório. Hotta dá a entender que seu time está no processo de fazer justamente isto.  Curiosamente, este trabalho possui implicações para uma série de campos relacionados, incluindo a física dos buracos negros e a teoria quântica do demônio de Maxwell.
Os pesquisadores, que trabalharam na Universidade de Tohoku no Japão, e foram liderados por Masahiro Hotta, descreveram sua proposta na última edição do Physical Review A. O sistema deles explora propriedades da luz comprimida ou estados de vácuos que deveriam permitir o teletransporte de informação sobre um estado de energia. Por sua vez, esta energia quântica teletransportada poderia ser utilizável.

Ao contrário de sistemas de teletransportes como os retratados em Jornada nas Estrelas ou A Mosca, este tipo de teletransporte descreve experimentos de emaranhamento em que duas partículas entrelaçadas são unidas apesar de nenhuma conexão aparente entre elas existir. Quando uma mudança ocorre em uma partícula, a mesma mudança ocorre na outra, não importa a distância que as separa. Por isto, a impressão de teletransporte. Físicos conduziram experimentos utilizando luz, matéria, e agora, energia.

De acordo com Hotta, uma medição na primeira partícula injeta energia quântica no sistema. Então, escolhendo cuidadosamente a medição para fazer na segunda partícula, é possível extrair a energia original.

Escrevendo no Phys.org, Bob Yirka explica mais:

De volta em 2008, Hotta, com outro time, primeiramente concebeu uma teoria para teletransportar energia baseada na retirada das vantagens dos estados de vácuo – a teoria sugere que eles não estão completamente vazios, em vez disto há partículas neles que entram e saem da existência, algumas das quais estão entrelaçadas. Embora interessante, a teoria sugeriu que teletransportar energia só poderia ser realizada sob distâncias muito curtas. Nesta nova tentativa, Hotta encontrou uma maneira para aumentar a distância de teletransporte fazendo o uso de uma propriedade conhecida como luz comprimida, a qual está vinculada a um estado de vácuo comprimido.

As leis da mecânica quântica limitam as maneiras que os valores em um sistema (como o vácuo) podem ser medidos – físicos descobriram, no entanto, que aumentando a incerteza de um valor, diminui a incerteza do valor dos outros – uma espécie de efeito comprimido. Quando aplicado à luz, a teoria sugere que isto acarreta a mais pares viajando juntos através do vácuo, que por sua vez leva a mais deles estando emaranhados, e que o time sugere que deveria permitir o teletransporte de energia sobre qualquer distância.

Seguindo em frente, os pesquisadores querem colocar sua teoria à teste em um laboratório. Hotta dá a entender que seu time está no processo de fazer justamente isto.

Curiosamente, este trabalho possui implicações para uma série de campos relacionados, incluindo a física dos buracos negros e a teoria quântica do demônio de Maxwell.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Você sabe do que é feito e como é feito o chiclete?

É claro que você já mascou chiclete principalmente quando era criança! Mas você sabe de onde é feito chiclete? Como é feito?







    Eu, já ouvi pessoas dizendo que o chiclete vem do couro do boi...mas é claro que não é feito assim, pelo menos não hoje em dia!







      O chiclete não é uma coisa tão nova assim, antigamente, a um tempo que até hoje não se estima, os povos gregos tinham o costume de mascar resina de arvores, os mesmos usavam para estimular a salivação e assim limpar os dentes! Antes da colonização, no continente americano, a colonização europeia tinha o costume também, porém mascavam o látex do sapotizeiro, e era usada pelos Maias e Astecas e outras civilizações, e os mesmos davam o nome de Chicle.









       O chiclete que nós conhecemos hoje, surgiu no ano de 1872, quando Thomas Adams, fabricou o primeiro lote de chicletes em formato de bolas, porém estes não eram feitos de sapotizeiro, e sim aromatizado com resinas naturais do extrato de alcaçuz.

Os seis pratos mais sádicos de todo o Mundo

A maioria de nós ama um bom e suculento bife ou um belo frango assado né? E não é nenhum segredo que a vida de um animal indo para o matadouro não é de sorrisos e canções felizes. Isso é fato.

Mas vai que você se depara com uma comida que requer que o animal não esteja morto, mas que seja torturado de uma maneira terrível e diabólica bem no seu prato. Abaixo estão os exemplos que provam que, para alguns, a crueldade pode ser deliciosa.

ATENÇÃO: Algumas imagens perturbadoras, particularmente em # 1.

# 6.Ikizukuri

Origem:Japão
O que há de tão ruim nisso?Imagine que você está no Japão. Você quer aproveitar a viajem e experimentar a cozinha japonesa autêntica. Aviso: Esta pá de madeira com a imagem da Hello Kitty, não tem nada a ver com esta matéria. Ignore-a.



Você vai a um restaurante de sushi, e na hora do pedido, a primeira coisa que soar apetitoso é o que você vai pedir. Logo você vê uma confusão de sílabas japonesas que parece ser deliciosa: "Ikizukuri". Você pede. E só então, um…

A Verdade Sobre Chris McCandless, “Na Natureza Selvagem”

A Verdade Sobre Chris McCandless, Do Filme “Na Natureza Selvagem”
Quem nunca sonhou em jogar tudo pro alto e ir atrás do que se acredita? Quem já se pegou preso na rotina compulsiva do dia-a-dia, e já se questionou se as modernidades não atrapalham mais do que ajudam? Chris McCandless, famoso personagem do filme “Na Natureza Selvagem” (Into the Wild) fez o que muitos sonham e outros criticam. Ele largou tudo que tinha: seu diploma, seu carro, sua família e até sua conta bancária. Foi com uma mala em busca do grande sonho de se chegar ao Alaska. Conheça a pessoa por trás do filme de Sean Penn. Chris sobreviveu do que caçava e colhia no Alaska por mais de 100 dias Chris era um típico americano de classe-média alta, recém-formado e com problemas de relacionamento com os pais. Deixou tudo e saiu numa Odisseia solitária em busca do gélido Alaska, distante da civilização. O sucesso acadêmico de Chris apenas aguçou o vazio que ele percebia no materialismo da sociedade. Tendo realizado seu grand…