Pular para o conteúdo principal

DNA de crânios alongados revela que não são humanos

Paracas é uma península localizada no deserto da província de Pisco, na Região Ica, na costa sul do Peru. É aqui que o arqueólogo peruano, Julio Tello, fez uma descoberta surpreendente em 1928 – um cemitério enorme e contendo túmulos cheios com os restos de indivíduos com maiores crânios alongados encontrados em qualquer lugar do mundo. Estes ficaram conhecidos como as “caveiras de Paracas”.
No total, Tello encontrou mais de 300 desses crânios alongados, que se acredita ter cerca de 3.000 anos. Uma análise de DNA já foi realizado em um dos crânios e a especialista Brien Foerster lançou informações preliminares sobre esses crânios enigmáticos.
É sabido que a maioria dos casos de alongamento do crânio é o resultado da deformação do crânio, do achatamento da cabeça, em que o crânio é intencionalmente deformado pela aplicação de força ao longo de um longo período de tempo de cabeça. Ele é geralmente obtido através da colocação da cabeça entre dois pedaços de madeira.
No entanto, enquanto a deformação craniana muda a forma do crânio, mas não altera o seu volume, peso ou outras características que são características de um crânio humano normal, isso não ocorreu nos crânios de Paracas.


O volume craniano é de até 25 por cento maior e 60 por cento mais pesado que crânios humanos convencionais, ou seja, eles não poderiam ter sido intencionalmente deformados. Eles também contêm apenas uma placa parietal, em vez de duas. O fato de que as características dos crânios não são o resultado da deformação craniana significa que a causa do alongamento é um mistério, e tem sido por décadas.
Juan Navarro, proprietário e diretor do museu local, chamado de Museu de História Paracas, que abriga uma coleção de 35 dos crânios de Paracas, permitiu a recolha de amostras de 5 dos crânios. As amostras consistiram de cabelo, incluindo raízes, um dente, osso do crânio e da pele, e este processo foi cuidadosamente documentado via fotos e vídeos. As amostras foram enviadas para Lloyd Pye, fundador do Projeto Starchild, que entregou as amostras para um geneticista no Texas para realizar testes de DNA. Os resultados agora estão de volta, e Brien Foerster, autor de mais de dez livros e uma autoridade em antigos povos da América do Sul, acaba de revelar os resultados preliminares da análise.
Ele relata as conclusões do geneticista: havia mtDNA (DNA mitocondrial) com mutações desconhecidas em qualquer ser humano, primata, ou animal conhecido até o momento. Mas alguns fragmentos em que foi possível sequenciar a partir desta amostra indicam que estamos lidando com uma nova criatura human-like, muito distante do Homo sapiens, Neandertais e Denisovans.
As implicações são enormes. “Eu não tenho certeza ainda de que ele vai se encaixar na árvore evolutiva conhecida”, escreveu o geneticista. Ele acrescentou que, se os indivíduos Paracas eram tão biologicamente diferentes, eles não foram capazes de cruzar com os seres humanos. O resultado desta análise é apenas uma fase de muitas fases de análises que deverão ocorrer. Os resultados precisam ser replicados e mais análises realizadas antes de conclusões finais serem tiradas. Vamos informar quando mais detalhes emergirem.
Se você quiser conhecer mais sobre essa região de Ica, sugiro que leia o post sobre as Pedras de Ica. São pedras com gravuras que sugerem a coexistência entre humanos e dinossauros. O descobridor dessas pedras acredita que tenha relação com vida extraterrestre, e como é na mesma região onde foram encontrados estes crânios, é no mínimo intrigante isto tudo, não acha?
fonte: traduzido de Disclose.tv
hqdefault
craniuns
ParacasSkull
OLYMPUS DIGITAL CAMERA


Read more: http://www.nerdices.com.br/wordpress/2014/02/10/dna-de-cranios-alongados-revela-que-nao-sao-humanos/#ixzz2t13aLRQT

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Você sabe do que é feito e como é feito o chiclete?

É claro que você já mascou chiclete principalmente quando era criança! Mas você sabe de onde é feito chiclete? Como é feito?







    Eu, já ouvi pessoas dizendo que o chiclete vem do couro do boi...mas é claro que não é feito assim, pelo menos não hoje em dia!







      O chiclete não é uma coisa tão nova assim, antigamente, a um tempo que até hoje não se estima, os povos gregos tinham o costume de mascar resina de arvores, os mesmos usavam para estimular a salivação e assim limpar os dentes! Antes da colonização, no continente americano, a colonização europeia tinha o costume também, porém mascavam o látex do sapotizeiro, e era usada pelos Maias e Astecas e outras civilizações, e os mesmos davam o nome de Chicle.









       O chiclete que nós conhecemos hoje, surgiu no ano de 1872, quando Thomas Adams, fabricou o primeiro lote de chicletes em formato de bolas, porém estes não eram feitos de sapotizeiro, e sim aromatizado com resinas naturais do extrato de alcaçuz.

Os seis pratos mais sádicos de todo o Mundo

A maioria de nós ama um bom e suculento bife ou um belo frango assado né? E não é nenhum segredo que a vida de um animal indo para o matadouro não é de sorrisos e canções felizes. Isso é fato.

Mas vai que você se depara com uma comida que requer que o animal não esteja morto, mas que seja torturado de uma maneira terrível e diabólica bem no seu prato. Abaixo estão os exemplos que provam que, para alguns, a crueldade pode ser deliciosa.

ATENÇÃO: Algumas imagens perturbadoras, particularmente em # 1.

# 6.Ikizukuri

Origem:Japão
O que há de tão ruim nisso?Imagine que você está no Japão. Você quer aproveitar a viajem e experimentar a cozinha japonesa autêntica. Aviso: Esta pá de madeira com a imagem da Hello Kitty, não tem nada a ver com esta matéria. Ignore-a.



Você vai a um restaurante de sushi, e na hora do pedido, a primeira coisa que soar apetitoso é o que você vai pedir. Logo você vê uma confusão de sílabas japonesas que parece ser deliciosa: "Ikizukuri". Você pede. E só então, um…

A Verdade Sobre Chris McCandless, “Na Natureza Selvagem”

A Verdade Sobre Chris McCandless, Do Filme “Na Natureza Selvagem”
Quem nunca sonhou em jogar tudo pro alto e ir atrás do que se acredita? Quem já se pegou preso na rotina compulsiva do dia-a-dia, e já se questionou se as modernidades não atrapalham mais do que ajudam? Chris McCandless, famoso personagem do filme “Na Natureza Selvagem” (Into the Wild) fez o que muitos sonham e outros criticam. Ele largou tudo que tinha: seu diploma, seu carro, sua família e até sua conta bancária. Foi com uma mala em busca do grande sonho de se chegar ao Alaska. Conheça a pessoa por trás do filme de Sean Penn. Chris sobreviveu do que caçava e colhia no Alaska por mais de 100 dias Chris era um típico americano de classe-média alta, recém-formado e com problemas de relacionamento com os pais. Deixou tudo e saiu numa Odisseia solitária em busca do gélido Alaska, distante da civilização. O sucesso acadêmico de Chris apenas aguçou o vazio que ele percebia no materialismo da sociedade. Tendo realizado seu grand…