Pular para o conteúdo principal

Divulgado o resultado das analizes sobre o meteoro que caiu na Russia

Meteoro
No amanhecer de 15 de fevereiro de 2013, uma imensa bola de fogo –um meteoro– assustou os moradores de Tcheliabinsk, na Rússia. Nove meses depois, os cientistas pelo menos descobriram de onde ele veio.
Outra revelação interessante foi identificar por que ninguém viu esse bólido chegando até que ele se destroçasse na atmosfera terrestre. Tudo isso e muito mais está relatado em três novos estudos científicos, dois publicados otem (07) na “Nature”, e um na “Science” de hoje (8). As diversas filmagens da entrada do pedregulho –estimado em 19 metros de diâmetro– permitiram calcular seu percurso pelo espaço até chegar a nós.
Em uma das pesquisas da “Nature”, liderada por Jiri Borovicka, da Academia de Ciências da República Tcheca, os cientistas concluíram que o bólido passou as seis semanas que antecederam o impacto numa posição do céu que impedia sua observação pelos astrônomos.
Calculando a órbita completa do objéto, o grupo de cientistas percebeu que ela coincidia quase precisamente com a do asteroide 1999 NC43, que tem 2,2 km de diâmetro e se alterna em sua rota entre o cinturão de asteroides e as proximidades da Terra. Isso faz com que seja provável que o meteoro de Tcheliabinsk fosse um pedaço que se desprendeu desse bólido. A chance de que as órbitas similares sejam apenas coincidência é de 1 em 10 mil.
meteorito-chelyabinsk (1)
Meteorito de Chelyabinsk, cujo diâmetro chega a aproximados 4 cm. Imagem: Science/AAAS
PODER DE FOGO No segundo estudo da “Nature”, Peter Brown e seus colegas da University of Western Ontario, no Canadá, calculam que a explosão do asteroide ao adentrar a atmosfera teve a força de 500 mil toneladas de TNT.
Trata-se da maior explosão de asteroide no ar em um século, mas ainda inferior ao famoso episódio Tunguska, também na Rússia, em que um objeto de cerca de 50 metros gerou explosão equivalente a pelo menos 3 milhões de toneladas de TNT. O estudo que sai na “Science”, liderado por Olga Popova, da Academia Russa de Ciências, se concentrou mais nos estragos que foram causados pelo impacto. O grupo visitou as áreas afetadas, recolheu pedaços de meteorito e contou os danos, que afetaram uma área com uma população superior a 1 milhão de pessoas.
É mais uma constatação de que o perigo dos asteroides é real e vale a pena os astrônomos continuarem monitorando a rota desses bólidos.
A equipe foi liderada por Olga Popova, da Academia de Ciências da Rússia, em Moscou, e pelo astrônomo Peter Jenniskens, do Instituto SETI e do Ames, ambos centros de pesquisa da NASA, e incluiu 57 outros pesquisadores de nove países.
“Nosso objetivo era entender todas as circunstâncias que resultaram na onda de choque prejudicial que mandou mais de 1.200 pessoas aos hospitais na área de Chelyabinsk Oblast naquele dia”, disseJenniskens.
Ondas de choque da explosão quebraram janelas, sacudiram prédios e chegaram a tirar pessoas do chão. Popova e Jenniskens visitaram mais de 50 vilas da região e descobriram que a onda de choque causou danos a 90 quilômetros (50 milhas) de distância do ponto exato do estouro. Jenniskens especula que o (meteorito de) Chelyabinsk pertencia a um asteroide que se repartiu há 1,2 milhão de anos, possivelmente em uma passagem pelas cercanias da Terra e que, portanto, o resto do asteroide pode ainda viajar como parte da população de objetos próximos do nosso planeta.
Bloco de rocha recuperado no Lago Chebarkul, hoje exposto no Museu Estadual de História Local de Chelyabinsk. Foto: Andrey Yarantsev
loco de rocha recuperado no Lago Chebarkul, hoje exposto no Museu Estadual de História Local de Chelyabinsk. Foto: Andrey Yarantsev
O avanço em tecnologia para a detecção preventiva desses objetos é necessária, disse Yin — tal como o Grande Telescópio para Rastreamento Sinóptico, sendo atualmente desenvolvimento por uma equipe internacional encabeçada por J. Anthony Tyson, professor de física da UC Davis.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Você sabe do que é feito e como é feito o chiclete?

É claro que você já mascou chiclete principalmente quando era criança! Mas você sabe de onde é feito chiclete? Como é feito?







    Eu, já ouvi pessoas dizendo que o chiclete vem do couro do boi...mas é claro que não é feito assim, pelo menos não hoje em dia!







      O chiclete não é uma coisa tão nova assim, antigamente, a um tempo que até hoje não se estima, os povos gregos tinham o costume de mascar resina de arvores, os mesmos usavam para estimular a salivação e assim limpar os dentes! Antes da colonização, no continente americano, a colonização europeia tinha o costume também, porém mascavam o látex do sapotizeiro, e era usada pelos Maias e Astecas e outras civilizações, e os mesmos davam o nome de Chicle.









       O chiclete que nós conhecemos hoje, surgiu no ano de 1872, quando Thomas Adams, fabricou o primeiro lote de chicletes em formato de bolas, porém estes não eram feitos de sapotizeiro, e sim aromatizado com resinas naturais do extrato de alcaçuz.

Os seis pratos mais sádicos de todo o Mundo

A maioria de nós ama um bom e suculento bife ou um belo frango assado né? E não é nenhum segredo que a vida de um animal indo para o matadouro não é de sorrisos e canções felizes. Isso é fato.

Mas vai que você se depara com uma comida que requer que o animal não esteja morto, mas que seja torturado de uma maneira terrível e diabólica bem no seu prato. Abaixo estão os exemplos que provam que, para alguns, a crueldade pode ser deliciosa.

ATENÇÃO: Algumas imagens perturbadoras, particularmente em # 1.

# 6.Ikizukuri

Origem:Japão
O que há de tão ruim nisso?Imagine que você está no Japão. Você quer aproveitar a viajem e experimentar a cozinha japonesa autêntica. Aviso: Esta pá de madeira com a imagem da Hello Kitty, não tem nada a ver com esta matéria. Ignore-a.



Você vai a um restaurante de sushi, e na hora do pedido, a primeira coisa que soar apetitoso é o que você vai pedir. Logo você vê uma confusão de sílabas japonesas que parece ser deliciosa: "Ikizukuri". Você pede. E só então, um…

A Verdade Sobre Chris McCandless, “Na Natureza Selvagem”

A Verdade Sobre Chris McCandless, Do Filme “Na Natureza Selvagem”
Quem nunca sonhou em jogar tudo pro alto e ir atrás do que se acredita? Quem já se pegou preso na rotina compulsiva do dia-a-dia, e já se questionou se as modernidades não atrapalham mais do que ajudam? Chris McCandless, famoso personagem do filme “Na Natureza Selvagem” (Into the Wild) fez o que muitos sonham e outros criticam. Ele largou tudo que tinha: seu diploma, seu carro, sua família e até sua conta bancária. Foi com uma mala em busca do grande sonho de se chegar ao Alaska. Conheça a pessoa por trás do filme de Sean Penn. Chris sobreviveu do que caçava e colhia no Alaska por mais de 100 dias Chris era um típico americano de classe-média alta, recém-formado e com problemas de relacionamento com os pais. Deixou tudo e saiu numa Odisseia solitária em busca do gélido Alaska, distante da civilização. O sucesso acadêmico de Chris apenas aguçou o vazio que ele percebia no materialismo da sociedade. Tendo realizado seu grand…