Pular para o conteúdo principal

Brasil se inspira na Alemanha para impulsionar inovação na indústria


ALEMANHA

Brasil se inspira na Alemanha para impulsionar inovação na indústria

Governo quer construir 23 institutos de inovação para atender à demanda industrial. Parceria com instituto Fraunhofer vai garantir certificação e avaliação do trabalho dos novos institutos brasileiros.
Quando David Carlos Domingos chegou à Alemanha para fazer seu mestrado, em 2005, ele não imaginava que ajudaria o Brasil a implantar a receita alemã de sucesso que garante o caráter inovador do país. Hoje, como pesquisador do Instituto Fraunhofer em Berlim, o engenheiro mecânico de 31 anos é a principal peça para fazer dar certo em seu país de origem a engrenagem que funciona tão bem entre os alemães. "A Alemanha trabalha com muita pesquisa aplicada para a indústria e inovação. E esse modelo queremos desenvolver no Brasil."
O Brasil, com seus quase 200 milhões de habitantes espalhados por 8,5 milhões de quilômetros quadrados, depende do agronegócio. O país é o maior fornecedor mundial de carne, soja e café. A Alemanha tem 81 milhões de habitantes e um território 23 vezes menor que o Brasil.
Por décadas, os alemães lideraram o ranking mundial de exportação graças ao comércio de máquinas pesadas e produtos químicos. "É um país que exporta valor agregado, e não commodities, como o Brasil. E o grande segredo é essa junção entre universidade, pesquisa aplicada e indústria", completa David.
Para mudar um pouco esse perfil, o governo brasileiro foi buscar inspiração na Alemanha e decidiu construir 23 institutos de inovação espalhados pelo país. Desde o Amazonas, que ganhará um centro de microeletrônica, até o Rio Grande do Sul, que será sede do instituto de polímeros.
Indústria integrada: turbina desenvolvida pelo instituto Fraunhofer
Diminuir o abismo
A iniciativa é do Movimento Empresarial para Inovação, o MEI, formado pelas 50 maiores empresas brasileiras. A ideia é montar institutos de pesquisa que atendam à demanda industrial nacional. Para isso, uma parceria com o instituto Fraunhofer foi assinada no ano passado: o órgão alemão vai trabalhar noacompanhamento, certificação e avaliação do trabalho dos brasileiros.
As pequenas e médias empresas precisam muito desse suporte, avalia o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação do Brasil. Pelo acordo, as companhias poderão apresentar suas demandas aos institutos credenciados, que terão a missão de criar soluções. O novo projeto deve diminuir o abismo entre os laboratórios das universidades e a linha de produção das indústrias.
Na maior parte dos casos, as universidades no Brasil fazem pesquisa básica, que não têm aplicação imediata no mercado. E as empresas, a maioria multinacionais, não têm interesse em trabalhar com as universidades no país e desenvolver produtos no Brasil. "Queremos fechar esse abismo. Pegar a pesquisa feita na academia e transferi-la para a indústria e, assim, suprir a necessidade que a indústria tem para inovação tecnológica", comenta David.
Para cumprir o objetivo, o governo vai investir 1,9 bilhão de reais. A maior parte do dinheiro irá para a modernização e ampliação dos institutos que serão pólo de pesquisa. A estrutura do Senai, escola profissionalizante mantida pela Confederação Nacional das Indústrias, será usada como base dos novos centros.
Do café para a pesquisa de ponta
O Fraunhofer reúne 60 centros de pesquisa em todo o mundo. Alguns deles já desenvolvem projetos específicos no Brasil, como nos setores calçadista, têxtil e automotivo. Na Alemanha, a instituição está envolvida nos processos mais importantes da indústria alemã na área da tecnologia.
O governo brasileiro admite que, no Brasil, o setor privado ainda inova pouco. A expectativa é que a parceria com o Fraunhofer estimule ainda o registro de patentes e facilite a transferência do conhecimento entre as empresas.
Segundo o planejado, os novos centros de pesquisa e inovação no Brasil terão oito anos para se tornarem sustentáveis. Nesse tempo, eles terão que retornar o investimento feito e com projetos sólidos que ajudem a indústria a se modernizar. A partir de então, o Brasil poderá ser descrito também por sua capacidade tecnológica, espera David. "O Brasil está crescendo agora, mas devido ao setor primário de commodities. No futuro, a gente espera que seja pelo fato de estarmos inovando e agregando valor aos nossos produtos, às nossas mercadorias."

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Você sabe do que é feito e como é feito o chiclete?

É claro que você já mascou chiclete principalmente quando era criança! Mas você sabe de onde é feito chiclete? Como é feito?







    Eu, já ouvi pessoas dizendo que o chiclete vem do couro do boi...mas é claro que não é feito assim, pelo menos não hoje em dia!







      O chiclete não é uma coisa tão nova assim, antigamente, a um tempo que até hoje não se estima, os povos gregos tinham o costume de mascar resina de arvores, os mesmos usavam para estimular a salivação e assim limpar os dentes! Antes da colonização, no continente americano, a colonização europeia tinha o costume também, porém mascavam o látex do sapotizeiro, e era usada pelos Maias e Astecas e outras civilizações, e os mesmos davam o nome de Chicle.









       O chiclete que nós conhecemos hoje, surgiu no ano de 1872, quando Thomas Adams, fabricou o primeiro lote de chicletes em formato de bolas, porém estes não eram feitos de sapotizeiro, e sim aromatizado com resinas naturais do extrato de alcaçuz.

Os seis pratos mais sádicos de todo o Mundo

A maioria de nós ama um bom e suculento bife ou um belo frango assado né? E não é nenhum segredo que a vida de um animal indo para o matadouro não é de sorrisos e canções felizes. Isso é fato.

Mas vai que você se depara com uma comida que requer que o animal não esteja morto, mas que seja torturado de uma maneira terrível e diabólica bem no seu prato. Abaixo estão os exemplos que provam que, para alguns, a crueldade pode ser deliciosa.

ATENÇÃO: Algumas imagens perturbadoras, particularmente em # 1.

# 6.Ikizukuri

Origem:Japão
O que há de tão ruim nisso?Imagine que você está no Japão. Você quer aproveitar a viajem e experimentar a cozinha japonesa autêntica. Aviso: Esta pá de madeira com a imagem da Hello Kitty, não tem nada a ver com esta matéria. Ignore-a.



Você vai a um restaurante de sushi, e na hora do pedido, a primeira coisa que soar apetitoso é o que você vai pedir. Logo você vê uma confusão de sílabas japonesas que parece ser deliciosa: "Ikizukuri". Você pede. E só então, um…

Menino que morava na casa assombrada em Amityville quebra o silêncio de 37anos

Primeiro foi a praga das moscas, depois havia os pontos frios em salas e corredores, os cheiros estranhos de perfume ou de excrementos e os sons de solavancos durante a noite e outros distúrbios muito mais aterrorizantes: objetos que voaram pela sala, paredes escorrendo lodo verde, o crucifixo que virou de cabeça para baixo na parede, o quarto vermelho escondido no porão e – quem pode esquecer – os olhos brilhantes demoníacos de um porco durante a noite.
Danny Lutz, um menino de dez anos de idade na época, vive agora no Queens, em Nova York, onde ele trabalha como pedreiro e é separado de sua esposa e dois filhos, insiste que ele foi ameaçado por espíritos na casa e que as assombrações arruinaram sua vida e da sua família. Casa do horror: A casa da família que inspirou vários filmes aterrorizantes O seu lado da história teria provavelmente permanecido secreto, mas um amigo contatou um jovem cineasta, Eric Walter, que tinha criado um site dedicado à saga de Amityville, e persuadiu o recl…