A Deep Web - O que é, e como acessar?

Esse artigo será dividido em partes, tema onde serão abordados conteúdos relacionados ao lado não visitado da internet, conhecidos como Deep Web ou “Internet Obscura”, relatando assim toda forma de conteúdo, artigos, acervo de vídeos e imagens, material científico, publicidade, moedas, comercio, publicidade, dentre outros fatores que não são encontrados na internet visível e padrão. Abordaremos muitos conceitos utilizados por uma linhagem de internautas anônimos, sustentados por um navegador chamado “TOR”, projeto criado por uma organização sem fins lucrativos, que garantem anonimato e segurança enquanto seus usuários estiverem navegando. O artigo ainda mostrará como é realizada a prática ao acesso deste lado da internet, de tal forma que seja possível comercializar e obter materiais de conteúdos nunca vistos.

    DEEP WEB 

deepweb
Anonymous Brasil.com
     A presença de novos usuários na internet tem crescido drasticamente a cada ano no Brasil e no mundo, número que de acordo com o IBGE mostra uma participação percentual de 34,8% da população brasileira nas pesquisas do PNAD 2008, número bastante elevado se for levar em conta os 20,9% de usuários de internet em 2005. O que tem sido para muitos uma nova janela ao conhecimento, realização de pesquisas, estudos e comodidade, tem sido por outro lado uma excelente arma a favor de roubos, exposição de dados sigilosos, imagens, dentre outros recursos que interferem no bem estar pessoal.
Ao fato de haver milhares de pessoas conectadas ao mesmo tempo na internet, boa parte não conhece o lado “secreto” da rede, um espaço não indexado pelo Google e outras ferramentas de busca populares da rede como Bing e Yahoo. Uma indexação de páginas é realizada por mecanismos de buscas dentro de toda a rede de internet, a fim de trazer ao usuário as informações pesquisadas exatamente da forma que procuram, ou próximas. Aquela pizzaria próxima a residência do internauta quando pesquisada no Google é um excelente exemplo de indexação exata de anunciantes. (SILVA, 2014-a, p3.)
Mas quando esta indexação não lhe trás todas as informações que existem sobre tal pesquisa na internet, é onde o lado “secreto” da rede encontra-se, um lado que não passa pelas políticas de indexação de muitos buscadores populares, e se tornam “invisíveis” aos internautas. Estima-se que todas as melhores ferramentas de buscas do mercado possam atingir cerca de aproximadamente 16% do conteúdo geral da Wolrd Wide Web (www), e que os 84% restantes tornam-se invisíveis dentro da rede, cercada por outras páginas que não são indexadas em todo o mundo, e que passam a ser conhecidas como uma web invisível ou web profunda.
 “[...] estima que as melhores ferramentas de busca acessem aproximadamente 16% da informação disponível na World Wide Web. Os 84% restantes tornaram-se conhecidos como a web invisível ou web profunda”. Calerri (2007, p.103)
     Uma quantidade surpreendente de páginas que devido ao fato de seus conteúdos não serem trazidos pelos buscadores até o internauta, acabam se tornando um meio de acesso diferente, aberto e perigoso. Um espaço capaz de conter conteúdos e informações mais importantes para estudos científicos e ao mesmo tempo as mais aterrorizantes possíveis. Trata-se da Deep Web. Como afirma Martins (2002),
A Deep Web caracteriza-se como o conjunto de conteúdos da internet que não podem ser acessados diretamente pelos mecanismos de buscas normalmente utilizados no dia a dia, como por exemplo, o Google, pelo simples fato de não serem indexados por este mecanismo de busca. (MARTINS, 2002, p.2).
     Há conhecedores da web oculta que dizem haver muito conteúdo interessante por lá, sites de buscas como Torch e Hidden Wiki (semelhante ao Google), são capazes de trazer uma infinidade de informações que nunca foram encontradas na web visível, como artigos científicos, vídeos, manuais, biblioteca virtual, dentre outras informações contidas em mais de 1 trilhão de páginas não indexadas da rede. Porém por outro lado, uma série de conteúdos de parafilias podem ser encontradas facilmente, até mesmo “comercializáveis” – [...] Uma vez na deep web, basta caçar conteúdo. Tem de tudo ali [...]”. (PEREIRA, 2014-a).
dw
anonymousbr4sil.net
     Páginas de sites espalhados por todo continente cibernético são trazidas para margem através de filtros de buscadores, onde cada um desses filtros possui um tipo de indexação diferente e padronizado, com o intuito de buscar por páginas que se encontrem dentro de suas políticas de busca e privacidade, sempre na margem e impossibilitados de navegarem abaixo da superfície plana. A Deep Web, termo mais conhecido na rede, não pode ser acessada através de navegadores comuns, como Google Chrome, Internet Explorer, Mozila Firefox, dentre outros, pois estes não possuem uma configuração adequada e anonimato para uma navegação abaixo da superfície do oceano. Para que usuários da rede possam atingir um nível abaixo da superfície, estes devem baixar um software gratuito chamado “Tor”, um projeto criado por uma organização não governamental, que garante anonimato nas pesquisas e navegações por baixo da rede.
     Porém por outro lado, uma série de conteúdos de parafilias podem ser encontradas facilmente, até mesmo “comercializáveis”. Como afirma Pereira (2014-a), ‘‘ [...] Uma vez na deep web, basta caçar conteúdo. Tem de tudo ali [...]”. Páginas de sites espalhados por todo continente cibernético são trazidas para margem através de filtros de buscadores, onde cada um desses filtros possui um tipo de indexação diferente e padronizado, com o intuito de buscar por páginas que se encontrem dentro de suas políticas de busca e privacidade, sempre na margem e impossibilitados de navegarem abaixo da superfície plana.

O ACESSO

    A Deep Web, termo mais conhecido na rede, não pode ser acessada através de navegadores comuns, como Google Chrome, Internet Explorer, Mozila Firefox, dentre outros, pois estes não possuem uma configuração adequada e anonimato para uma navegação abaixo da superfície do oceano. Para que usuários da rede possam atingir um nível abaixo da superfície, estes devem baixar um software gratuito chamado “Tor”, um projeto criado por uma organização não governamental, que garante anonimato nas pesquisas e navegações por baixo da rede.
Atualmente há também muitos outros softwares que são comerciais, especializados em realizarem uma busca mais profunda e direta na web invisível, capaz de usar técnicas que absorvem e indexam centenas de novas páginas provenientes do oceano. Carelli afirma que:
(…) as ferramentas comercias de pesquisas na web, sustentam o incremento de técnicas e de tecnologias para absorver e indexar centenas de milhares de novos recursos informativos provenientes da web invisível (CARELLI, 2007, p.103).
    A Deep Web (Web Profunda) é reconhecida hoje por muitos usuários também através de outros nomes como, Dark Net (Rede Escura), Free Net (Rede Livre), Hidden Web (Web oculta), Under Net (Abaixo da Rede), Invisible Web (Web Invisível), Deep Net (Rede Profunda), além de outros nomes cedidos a tal “rede secreta”. Dependendo da metodologia aplicada na indexação de páginas, os cálculos destes conteúdos podem variar de 50 á 500 vezes o tamanho da web visível hoje, isto é, aquela web que trás resultados para os usuários do Google, Yahoo, etc., é tão pequena comparado aos inúmeros resultados que estes mecanismos de buscas poderiam oferecer. Kaimen afirma ainda que:
(…) As estimativas para o tamanho desses recursos são controvertidas, pois dependendo da metodologia aplicada para o cálculo, variam de 50 á 500 vezes o tamanho da web visível, isto é, aquela efetivamente captada pelas ferramentas de busca (KAIMEN, 2007, p.103).
     BrightPlanet (2000) apud Bergman (2001) cita uma pesquisa em março do ano 2000 realizada para coletar informações referentes à imensa quantidade de camadas da Web Profunda, que mencionou que seu tamanho era simplesmente imensurável. O pesquisador ainda apresentou uma sequência de resultados importantes que deveriam ser obtidos pelas pessoas:
- No Ciberespaço, a Web Profunda, como é mais conhecida, é a maior categoria crescente de informações, e a quantidade de conteúdo total desta Web era de 1000 a 2000 vezes maior que a web da superfície.
- No ano em que realizou sua pesquisa foram constatados mais de 200.000 de sites profundos presentes na Deepweb.
- Mais de metade do conteúdo da Web Profunda residem em base de dados especializadas, e estes são de altíssima qualidade.
- Mais de 95% da Web Profunda é gratuita, acessível ao público mediante assinaturas (BERGMAN, 2001, p.2).
      Bergman ainda relata que basicamente os mecanismos de buscas gerais e específicos, são trabalhados porSpiders, Crawlers, ou Robots, os termos referem-se a robôs que efetuam uma varredura à procura de novas páginas na Web.
     Para fecharmos a primeira parte da postagem e entendermos melhor como há uma grande barreira que limita os usuários comuns para o acesso a estas fontes de informações importantes, Beckett define a utilização desta Web Profunda pelas pessoas da seguinte maneira: “[...] para além dos limites da vida da maioria das pessoas online [...] ignorada pela mídia e bem compreendida por apenas alguns cientistas da computação” (BECKETT, 2009).
     Bom pessoal, espero que tenham adquirido uma base de conhecimentos do quem vem a ser a DW, falaremos em nosso próximo artigo [PARTE 2] sobre o TOR, um projeto de uma ferramenta criada que garante anonimato e abre as portas para o acesso á rede. Acompanhe conosco e não esqueça de deixar seu comentário abaixo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Você sabe do que é feito e como é feito o chiclete?

A Verdade Sobre Chris McCandless, “Na Natureza Selvagem”

Os seis pratos mais sádicos de todo o Mundo