Pular para o conteúdo principal

Google quer usar tatuagem e pílulas especiais para aposentar as senhas

Pílula pode ser ingerida e produz um sinal de autenticação único dentro do estômago do usuário.

 
Pílula é alimentada pelo ácido estomacal (Fonte da imagem: Reprodução/The Verge)
A criatividade tecnológica não tem limites. Em uma recente entrevista concedida ao site AllThingsD, Regina Dugan, ex-chefe da DARPA e atual líder da divisão de projetos especiais da Motorola, comentou sobre algumas invenções que estão sendo desenvolvidas pela companhia norte-americana em conjunto com engenheiros da Google. Um dos projetos chama a atenção pelo conceito bizarro: uma pílula digerível que transforma o corpo do usuário em seu token de autenticação.
O minúsculo equipamento – mostrado na imagem que abre esta notícia – conta com uma bateria alimentada pelo ácido presente no estômago humano e pode produzir um intenso sinal de 18 bits capaz de atuar como uma password. A engenhoca foi apelidada pela própria Dugan como “autenticação vitamínica” e já foi certificada como um “remédio” seguro pela FDA (Food and Drugs Administration, um órgão norte-americano que regulamenta alimentos e medicamentos).
 
Protótipo de senha em tatuagem (Fonte da imagem: Reprodução/The Verge)
Não satisfeita, Regina também exibiu um protótipo de senha em tatuagem no seu próprio braço, argumentando que não faria sentido criar um sistema de autenticação em vestimentas que podem facilmente ser roubadas. “Além disso, alguns jovens provavelmente não gostariam de usar um relógio, mas com certeza amariam fazer uma tatuagem dessas apenas para chatear seus pais”, brinca.
O projeto está sendo desenvolvido em parceria com o instituto MC10, mas não há previsão para que ele comece a ser adotado de fato como um sistema seguro de autenticação.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Você sabe do que é feito e como é feito o chiclete?

É claro que você já mascou chiclete principalmente quando era criança! Mas você sabe de onde é feito chiclete? Como é feito?







    Eu, já ouvi pessoas dizendo que o chiclete vem do couro do boi...mas é claro que não é feito assim, pelo menos não hoje em dia!







      O chiclete não é uma coisa tão nova assim, antigamente, a um tempo que até hoje não se estima, os povos gregos tinham o costume de mascar resina de arvores, os mesmos usavam para estimular a salivação e assim limpar os dentes! Antes da colonização, no continente americano, a colonização europeia tinha o costume também, porém mascavam o látex do sapotizeiro, e era usada pelos Maias e Astecas e outras civilizações, e os mesmos davam o nome de Chicle.









       O chiclete que nós conhecemos hoje, surgiu no ano de 1872, quando Thomas Adams, fabricou o primeiro lote de chicletes em formato de bolas, porém estes não eram feitos de sapotizeiro, e sim aromatizado com resinas naturais do extrato de alcaçuz.

Os seis pratos mais sádicos de todo o Mundo

A maioria de nós ama um bom e suculento bife ou um belo frango assado né? E não é nenhum segredo que a vida de um animal indo para o matadouro não é de sorrisos e canções felizes. Isso é fato.

Mas vai que você se depara com uma comida que requer que o animal não esteja morto, mas que seja torturado de uma maneira terrível e diabólica bem no seu prato. Abaixo estão os exemplos que provam que, para alguns, a crueldade pode ser deliciosa.

ATENÇÃO: Algumas imagens perturbadoras, particularmente em # 1.

# 6.Ikizukuri

Origem:Japão
O que há de tão ruim nisso?Imagine que você está no Japão. Você quer aproveitar a viajem e experimentar a cozinha japonesa autêntica. Aviso: Esta pá de madeira com a imagem da Hello Kitty, não tem nada a ver com esta matéria. Ignore-a.



Você vai a um restaurante de sushi, e na hora do pedido, a primeira coisa que soar apetitoso é o que você vai pedir. Logo você vê uma confusão de sílabas japonesas que parece ser deliciosa: "Ikizukuri". Você pede. E só então, um…

Menino que morava na casa assombrada em Amityville quebra o silêncio de 37anos

Primeiro foi a praga das moscas, depois havia os pontos frios em salas e corredores, os cheiros estranhos de perfume ou de excrementos e os sons de solavancos durante a noite e outros distúrbios muito mais aterrorizantes: objetos que voaram pela sala, paredes escorrendo lodo verde, o crucifixo que virou de cabeça para baixo na parede, o quarto vermelho escondido no porão e – quem pode esquecer – os olhos brilhantes demoníacos de um porco durante a noite.
Danny Lutz, um menino de dez anos de idade na época, vive agora no Queens, em Nova York, onde ele trabalha como pedreiro e é separado de sua esposa e dois filhos, insiste que ele foi ameaçado por espíritos na casa e que as assombrações arruinaram sua vida e da sua família. Casa do horror: A casa da família que inspirou vários filmes aterrorizantes O seu lado da história teria provavelmente permanecido secreto, mas um amigo contatou um jovem cineasta, Eric Walter, que tinha criado um site dedicado à saga de Amityville, e persuadiu o recl…