Impressora 3D que faz comida ganha prêmio Design Lab


O projeto brasileiro conquistou o segundo lugar no concurso Design Lab.

O Design Lab é um dos mais prestigiados concursos de design do mundo, o projeto conceito elaborado pela designer brasileira Luiza Silva, 24 anos,  fez com que ela conquistasse o segundo lugar no concurso anual promovido pela Electrolux, cujo tema proposto foi “Vida Urbana Inspirada”.

O Atomium é uma impressora 3D de alimentos, que tem como ingrediente a base molecular da comida. Luiza explica como funciona seu conceito. “A partir do pedido de sabor e formato desejado da comida, Atomium constrói o alimento com dados nutricionais do usuário, preparando uma refeição balanceada”.


.

O principal público alvo são as crianças, “Tentei unir características como a criatividade e o lúdico na alimentação saudável, incluindo verduras e alimentos frescos nas refeições, e consegui resultados e conclusões muito interessantes que fortaleceram o conceito e a ideia da proposta Atomium”

O projeto teve base em uma vasta pesquisa sobre tecnologias existentes, sustentabilidade e comportamento das famílias. Durante um ano e meio, Luiza desenvolveu o trabalho, que foi apresentado para concluir a graduação na Universidade Tecnológica Federal do Paraná e aproveitado no concurso da Electrolux. Ao longo deste período, ela realizou testes e dinâmicas com 40 crianças em duas escolas de Curitiba para entender os motivos da má alimentação e o que os motiva a comerem.

Mesmo parecendo impossível, a realidade do trabalho da designer está mais próxima do que se possa imaginar. Já existem impressoras 3D para uso doméstico e há pesquisas que mostram a possibilidade de “construir” alimentos. Mas ainda há um longo caminho a percorrer até um possível lançamento.

Para Julio Bertola, diretor de design da Electrolux no Brasil, a aplicação de projetos vencedores como o de Luiza não é necessariamente imediata. Antes de chegar às prateleiras, os produtos passam por avaliações sobre sua viabilidade, sobre a tecnologia existente para torna-lo viável e sobre se o consumidor está preparado para lidar com algo assim no cotidiano. Mesmo sem muita pressa, a ideia é sempre aproveitada.

O prêmio foi entregue em outubro, em Estocolmo, na Suécia. A colocação obtida por Luiza nesta edição do Design Lab foi a melhor já alcançada por um brasileiro na história do concurso, que existe desde 2002.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Você sabe do que é feito e como é feito o chiclete?

A Verdade Sobre Chris McCandless, “Na Natureza Selvagem”

Os seis pratos mais sádicos de todo o Mundo