Pular para o conteúdo principal

Caça-fantasma de 87 anos mora em museu do horror

Entre os itens do porão, existe suposta boneca assassina.


Você acredita em assombração? Em Monroe, uma cidade pacata no estado americano de Connecticut, mora Lorraine Warren. A senhora simpática de 87 anos é a caça-fantasmas mais célebre dos Estados Unidos.

Ela e o marido Ed Warren, falecido há sete anos, investigaram mais de dez mil casos paranormais.

Lorraine é médium e diz que vê luzes e imagens desde os 7 anos. Como estudava num colégio de freiras, preferia esconder o dom que dizia ter.
“Eu nunca quis ser diferente, queria me misturar com as outras meninas”, conta Lorraine Warren.

Mas tudo mudou quando conheceu Ed, aos 18 anos. Os dois nunca mais se separaram. Eles eram chamados para investigar episódios que a ciência não consegue explicar.

Alguns viraram filmes: um dos mais famosos aconteceu na década de 70, em uma casa de Amityville, no estado de Long Island.

“Foi o pior caso em que trabalhamos. Quando chegamos na casa, meu marido desceu no porão e foi derrubado. Em seguida sentiu algo como um cobertor quente cobrindo ele e que o impedia de respirar. Ed só conseguiu escapar depois que começou a rezar", lembra Lorraine.

Lorraine conta que os eventos paranormais começaram depois que um casal e três filhos se mudaram para o imóvel onde tinha acontecido um massacre: 13 meses antes, seis pessoas da mesma família morreram assassinadas. Os móveis e as portas se mexiam sozinhos. Marcas apareciam no corpo. Imagens, barulhos e vozes atormentavam os moradores.

O Fantástico entrou em um lugar da casa que Lorraine considera um dos mais mal-assombrados do mundo. É o porão da casa dela, onde foi feito um museu. Todos os objetos que estão lá foram retirados de lugares onde ocorreram assassinatos e muitas histórias aterrorizantes.

Antes de abrir a porta recebemos uma benção do padre Jim Anziano, amigo de Lorraine, que faz uma oração: “Que nossa senhora nos proteja de todos os demônios. Em nome de Jesus, eu ordeno que os demônios que não nos infestem, não nos influenciem e não nos toquem”.

Cada peça do museu fez parte dos casos investigados pelo casal. Instrumentos usados em rituais satânicos. Figuras sinistras. Crânios, livros de bruxaria. Bonecos de vodu.
“O espelho era usado em invocações de espíritos”, diz o padre.

O órgão tocava sozinho na casa de uma família que pediu a ajuda do casal Warren. Um ídolo satânico de olhar perturbador foi encontrado em uma floresta. A lápide retirada de um túmulo de uma criança fazia parte de rituais macabros.
“Mas nada é tão assustador quanto Anabelle”, diz o padre.

A boneca está trancada em uma caixa com porta de vidro desde quando chegou, há 40 anos. Ela fica na caixa não somente para evitar que as pessoas toquem nela. O medo é que ela escape.
O padre conta que a boneca de pano pertencia a uma estudante universitária e, todos os dias, quando a moça voltava para casa, ela estava em um lugar diferente.

Anabelle teria tentado estrangular um amigo da estudante e arranhado o corpo dele. Depois de encontrar a boneca com sangue nas mãos, ela decidiu entregá-la para o casal de caça-fantasmas.

“A última pessoa que tocou na boneca morreu logo depois em um acidente de moto”, diz ele.

Pergunto a Lorraine se ela nunca teve medo de enfrentar fantasmas. Ela diz que a fé e as orações a protegem da influência negativa dos maus espíritos. Para os que não acreditam em demônios, ela diz que as pessoas têm liberdade para escolher o que querem.

"Há os que não acreditam em Deus e é a escolha delas. Há pessoas que têm medo de acreditar em demônios, mas eu digo que eles existem. E estão à nossa volta, definitivamente”, completa Lorraine
.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Você sabe do que é feito e como é feito o chiclete?

É claro que você já mascou chiclete principalmente quando era criança! Mas você sabe de onde é feito chiclete? Como é feito?







    Eu, já ouvi pessoas dizendo que o chiclete vem do couro do boi...mas é claro que não é feito assim, pelo menos não hoje em dia!







      O chiclete não é uma coisa tão nova assim, antigamente, a um tempo que até hoje não se estima, os povos gregos tinham o costume de mascar resina de arvores, os mesmos usavam para estimular a salivação e assim limpar os dentes! Antes da colonização, no continente americano, a colonização europeia tinha o costume também, porém mascavam o látex do sapotizeiro, e era usada pelos Maias e Astecas e outras civilizações, e os mesmos davam o nome de Chicle.









       O chiclete que nós conhecemos hoje, surgiu no ano de 1872, quando Thomas Adams, fabricou o primeiro lote de chicletes em formato de bolas, porém estes não eram feitos de sapotizeiro, e sim aromatizado com resinas naturais do extrato de alcaçuz.

Os seis pratos mais sádicos de todo o Mundo

A maioria de nós ama um bom e suculento bife ou um belo frango assado né? E não é nenhum segredo que a vida de um animal indo para o matadouro não é de sorrisos e canções felizes. Isso é fato.

Mas vai que você se depara com uma comida que requer que o animal não esteja morto, mas que seja torturado de uma maneira terrível e diabólica bem no seu prato. Abaixo estão os exemplos que provam que, para alguns, a crueldade pode ser deliciosa.

ATENÇÃO: Algumas imagens perturbadoras, particularmente em # 1.

# 6.Ikizukuri

Origem:Japão
O que há de tão ruim nisso?Imagine que você está no Japão. Você quer aproveitar a viajem e experimentar a cozinha japonesa autêntica. Aviso: Esta pá de madeira com a imagem da Hello Kitty, não tem nada a ver com esta matéria. Ignore-a.



Você vai a um restaurante de sushi, e na hora do pedido, a primeira coisa que soar apetitoso é o que você vai pedir. Logo você vê uma confusão de sílabas japonesas que parece ser deliciosa: "Ikizukuri". Você pede. E só então, um…

Menino que morava na casa assombrada em Amityville quebra o silêncio de 37anos

Primeiro foi a praga das moscas, depois havia os pontos frios em salas e corredores, os cheiros estranhos de perfume ou de excrementos e os sons de solavancos durante a noite e outros distúrbios muito mais aterrorizantes: objetos que voaram pela sala, paredes escorrendo lodo verde, o crucifixo que virou de cabeça para baixo na parede, o quarto vermelho escondido no porão e – quem pode esquecer – os olhos brilhantes demoníacos de um porco durante a noite.
Danny Lutz, um menino de dez anos de idade na época, vive agora no Queens, em Nova York, onde ele trabalha como pedreiro e é separado de sua esposa e dois filhos, insiste que ele foi ameaçado por espíritos na casa e que as assombrações arruinaram sua vida e da sua família. Casa do horror: A casa da família que inspirou vários filmes aterrorizantes O seu lado da história teria provavelmente permanecido secreto, mas um amigo contatou um jovem cineasta, Eric Walter, que tinha criado um site dedicado à saga de Amityville, e persuadiu o recl…