Pular para o conteúdo principal

As misteriosas crianças com pele verde

No século XII, duas crianças teriam sido encontrados em Suffolk, na Inglaterra, com a pele verde. Os dois, um menino e uma menina, não poderiam informar seus salvadores sobre o lugar de onde vieram, ou mesmo dizer seus nomes, porque eles não falavam qualquer língua conhecida. Para tornar a situação ainda mais estranha, descobriu-se que as crianças rejeitavam todos os alimentos, exceto o feijão.
As misteriosas crianças com pele verde
Segundo o historiador William de Newburgh, as crianças foram encontradas na entrada de um grande poço durante a época da colheita por um grupo de conterrâneos. Eles não falavam nenhuma língua conhecida, suas peles eram verdes, e usavam roupas incomuns. Relatos dizem que eles foram levados para a casa de um fazendeiro local, Richard De Calne, onde passaram a morar.
Estranhamente, as crianças não comeram nada durante dias, até que receberem feijão, alimento que eles comeram rapidamente. Passados alguns meses apenas comendo feijão, eles se acostumaram ao pão. Logo depois, os dois filhos foram batizados, mas o menino morreu logo depois. No entanto, a menina cresceu, perdeu a pigmentação verde, e aprendeu a falar inglês.
Ela explicou que eles tinham vindo de uma terra sem luz solar, e que toda a área era verde. À menina foi supostamente dado o nome de “Agnes”, e se casou com um oficial do rei chamado Richard Barre. Esses relatos vêm de dois historiadores: William de Newburgh e Ralph de Coggeshall.
Segundo eles, a garota e seu irmão estavam em busca do rebanho do pai e seguiram por uma caverna. Após vagar na escuridão após um certo tempo, eles encontraram uma saída (o poço), ficando momentaneamente cegos pela luz solar.
Explicações nada convencionais têm sido formuladas para explicar a história. Alguns dizem que as crianças verdes vieram de um mundo secreto subterrâneo, cuja entrada era aquele poço. Outra hipótese, não menos absurda, é que o poço era um portal para um universo paralelo que de alguma forma transportou as crianças de seu mundo até Suffolk. Outros dizem que eles eram alienígenas e, que de alguma forma, chegaram em nosso planeta.
No entanto, a teoria mais aceita hoje em dia (considerando a história como verdadeira) é a seguinte: A data do incidente teria de ser empurrada até 1173, durante o reinado de Henrique II. Durante este período, Henry II perseguiu imigrantes e numerosas batalhas ocorreram (resultando em muitas mortes). Paul Harris, o estudioso que originalmente apresentou esta teoria, acredita que as crianças viviam em Fornham St. Martin, uma aldeia situada a poucos quilômetros de Suffolk. Harris explica que após a sua aldeia ter sido invadida e seus pais terem sido assassinados, as crianças fugiram para a floresta Thetford, e ficaram lá por tempo suficiente para desenvolver anemia, o que ajudaria a explicar a pigmentação incomum. Ele sugere que as crianças vagaram por uma passagem subterrânea. As passagens são remanescentes de minas de pedra que datam do Neolítico, cerca de 4.000 anos atrás. Eventualmente, as crianças chegaram em Suffolk, sendo encontradas ali. Parece lógico que as crianças, subnutridas e falando uma língua desconhecida, fossem consideradas alienígenas para os ingleses. [KnowledgeNuts]

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Você sabe do que é feito e como é feito o chiclete?

É claro que você já mascou chiclete principalmente quando era criança! Mas você sabe de onde é feito chiclete? Como é feito?







    Eu, já ouvi pessoas dizendo que o chiclete vem do couro do boi...mas é claro que não é feito assim, pelo menos não hoje em dia!







      O chiclete não é uma coisa tão nova assim, antigamente, a um tempo que até hoje não se estima, os povos gregos tinham o costume de mascar resina de arvores, os mesmos usavam para estimular a salivação e assim limpar os dentes! Antes da colonização, no continente americano, a colonização europeia tinha o costume também, porém mascavam o látex do sapotizeiro, e era usada pelos Maias e Astecas e outras civilizações, e os mesmos davam o nome de Chicle.









       O chiclete que nós conhecemos hoje, surgiu no ano de 1872, quando Thomas Adams, fabricou o primeiro lote de chicletes em formato de bolas, porém estes não eram feitos de sapotizeiro, e sim aromatizado com resinas naturais do extrato de alcaçuz.

Os seis pratos mais sádicos de todo o Mundo

A maioria de nós ama um bom e suculento bife ou um belo frango assado né? E não é nenhum segredo que a vida de um animal indo para o matadouro não é de sorrisos e canções felizes. Isso é fato.

Mas vai que você se depara com uma comida que requer que o animal não esteja morto, mas que seja torturado de uma maneira terrível e diabólica bem no seu prato. Abaixo estão os exemplos que provam que, para alguns, a crueldade pode ser deliciosa.

ATENÇÃO: Algumas imagens perturbadoras, particularmente em # 1.

# 6.Ikizukuri

Origem:Japão
O que há de tão ruim nisso?Imagine que você está no Japão. Você quer aproveitar a viajem e experimentar a cozinha japonesa autêntica. Aviso: Esta pá de madeira com a imagem da Hello Kitty, não tem nada a ver com esta matéria. Ignore-a.



Você vai a um restaurante de sushi, e na hora do pedido, a primeira coisa que soar apetitoso é o que você vai pedir. Logo você vê uma confusão de sílabas japonesas que parece ser deliciosa: "Ikizukuri". Você pede. E só então, um…

A Verdade Sobre Chris McCandless, “Na Natureza Selvagem”

A Verdade Sobre Chris McCandless, Do Filme “Na Natureza Selvagem”
Quem nunca sonhou em jogar tudo pro alto e ir atrás do que se acredita? Quem já se pegou preso na rotina compulsiva do dia-a-dia, e já se questionou se as modernidades não atrapalham mais do que ajudam? Chris McCandless, famoso personagem do filme “Na Natureza Selvagem” (Into the Wild) fez o que muitos sonham e outros criticam. Ele largou tudo que tinha: seu diploma, seu carro, sua família e até sua conta bancária. Foi com uma mala em busca do grande sonho de se chegar ao Alaska. Conheça a pessoa por trás do filme de Sean Penn. Chris sobreviveu do que caçava e colhia no Alaska por mais de 100 dias Chris era um típico americano de classe-média alta, recém-formado e com problemas de relacionamento com os pais. Deixou tudo e saiu numa Odisseia solitária em busca do gélido Alaska, distante da civilização. O sucesso acadêmico de Chris apenas aguçou o vazio que ele percebia no materialismo da sociedade. Tendo realizado seu grand…